O que é o estresse?

 

Todo organismo vivo tem mecanismos inatos para sentir e analizar “estressores”. Um estressor é qualquer situação ou evento que possa ameaçar a vida ou o bem-estar de um indivíduo. A resposta ao estresse é uma resposta “sensorial-analítica-decisiva” que garante a sobrevivência.

Podemos interpretar como evento estressor situações simples do dia-a-dia, como o trânsito, a discussão com alguém próximo ou com alguém do ambiente de trabalho, assim como eventos maiores como a morte de um ente querido ou um desastre natural. Situações positivas também são interpretadas como estresse pois exigem uma mudança ou adaptação a uma nova fase, como um casamento ou um novo emprego.

O que acontece na Resposta ao Estresse?

Nossos órgãos dos sentidos estão a todo momento mandando informações sobre o ambiente para o cérebro. Quando alguma informação sinaliza uma forma de perigo ou de ameaça, para o sistema nervoso central, uma cascata de reações é desencadeada, terminando na liberação de dois principais hormônios, o cortisol e a adrenalina. Com a circulação desses dois hormônios na corrente sanguínea, algumas mudanças acontecem no corpo. O coração começa a bater mais rápido e a pressão arterial aumenta para garantir a chegada do sangue nos músculos e no cérebro, assim, você poderá reagir com rapidez à situação que esta enfrentando. Você começa a respirar mais rápido para que entre mais oxigênio para as suas células. Os músculos ficam mais tensos, prontos para reagir com rapidez a qualquer momento. O sistema digestivo e a libido diminuem seu funcionamento pois a prioridade é outra. A memória fica prejudicada e a atenção, direcionada somente para sua fonte de estresse. Olhando para essas alterações, fica fácil entender porque ela foi batizada de resposta de luta ou fuga! Exatamente porque ela prepara você para uma ação que vai garantir sua sobrevivência! Lutar ou fugir da ameaça que esta à sua frente.

 

A Resposta ao Estresse é ruim?

A resposta ao estresse garante a nossa sobrevivência, nos faz reagir e adaptar à situações novas e desafiadoras! Quando ficamos doentes é essa seqüência de eventos descrita acima que garante uma resposta imunológica adequada, e que orquestra as reações de cicatrização de feridas (tanto de lesões acidentais quanto de procedimentos cirúrgicos). O problema acontece quando não conseguimos equilibrar essa resposta e ela é ativada ininterruptamente ou, não é desligada quando o evento estressor termina. O excesso de ação desse mecanismo pode inverter o jogo, e iniciam-se consequências prejudiciais ao organismo.

O estresse é um gatilho para desencadear ou piorar os sintomas de algumas doenças crônicas como hipertensão, diabete, ansiedade, depressão, obesidade, síndrome metabólica, entre outras. Essas doenças, também chamadas de doenças crônicas não comunicáveis, são fatores de risco para as principais causas de morte no mundo, além de impactar a qualidade de vida do portador da doença.

 

Como saber se estou estressado?

Quando a resposta ao estresse começa a ser prejudicial passamos a sentir alguns sintomas. Esses sintomas variam de pessoa para pessoa mas, em geral, em um único indivíduo os sintomas se repetem nos diferentes eventos estressores.

Os sintomas mais comuns incluem dores (dor nas costas, dor de cabeça, enxaqueca), alterações de humor (explosões de raiva, crises de choro), sintomas gastrointestinais (azia, queimação no estômago, constipação ou fezes amolecidas), alterações no comportamento (isolamento social, perda de interesse por atividades que antes eram prazeirosas), alterações de memória e dificuldade de aprendizado e concentração, entre outros.

 

Como posso diminuir o estresse?

Aprender a gerenciar o estresse e equilibrar seus efeitos no organismo é uma tarefa simples, mas não fácil. Mudanças no estilo de vida, como ter noites de sono regulares e reparadoras, uma alimentação equilibrada e uma prática de exercícios físicos regulares são de extrema importância.

Além disso, práticas que ativam a Resposta de Relaxamento (resposta fisiológica do organismo que é oposta a resposta ao estresse – e que pode ser aprendida!) são essenciais nesse processo. Entre elas encontramos: meditação, yoga, Tai Chi, Qi Gong.